www.jornalminuano.com.br
 
Ano XVIII - Bagé/RS
terça-feira , 22 de agosto de 2017
Cadernos
arte e cultura
Ellas
Esportes
Máquinas e Motores
Saúde

Editoriais
Campo & Negócios
charge
Cidade
editorial
esportes
fogo cruzado
minuano empreendedor
segurança
últimas notícias

Colunas
Aniversariantes
É Verdade
Espaço do leitor
Nas asas do vento
Papo de elevador
ponto de vista
social


 
| Saúde
por: Gladimir Aguzzi
 
[16h:08min] 27/09/2013 - Saúde
A anestesia
Entrevista com a médica anestesista Magda Shehadeh Mahmud
 
Francisco de Assis
 

A médica anestesita Magda Shehadeh Mahmud, que atua profissionalmente há 16 anos em Bagé, formada no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, explica ao leitor do Jornal MINUANO como é o trabalho de um anestesista, em que consiste, áreas de atuação, tipos de anestesia e os mitos em torno de sua profissão.


CADERNO DE SAÚDE - O que é a anestesiologia?
MÉDICA MAGDA MAHMUD - É uma especialidade médica que proporciona a ausência ou alívio da dor para que seja realizado os procedimentos médicos cirúrgicos ou exames diagnósticos. Com isto o anestesista trata das alterações das funções vitais do paciente, qualquer tipo de alteração que houver, qualquer alteração aerodinâmica é o anestesista que atua.

E o que ele faz?
Ele controla a pressão arterial do paciente, controla o pulso, o ritmo cardíaco, a respiração, a temperatura.

O médico anestesista precisa conhecer o paciente. Ele não chega na véspera de uma cirurgia, bate papo com o cirurgião e segue seu procedimento.
Como é esse conhecimento do paciente?
Como começa tudo? A anestesia atua numa avaliação pré operatória, conhece o paciente, vai visitá-lo no quarto, pacientes são internados um dia antes para a cirurgia, geralmente. Ou então, se são pacientes de ambulatórios há os questionamentos sobre a existência de alguma patologia, se já fez algum procedimento antes, se tomou alguma medicação, se tem alergia a alguma medicamento, orientação sobre jejum – é importante oito horas de jejum... sem água.

O jejum é sempre de oito horas?
Sempre. E não pode nem tomar água.

Por que é importante o jejum?
É extremamente importante. Sem o jejum o procedimento não acontece. Porque o paciente que está com o estômago cheio pode vomitar e aspirar durante o ato anestésico, pois na anestesia é utilizado medicamentos que relaxam. Aspirando o alimento pode ir para o pulmão e fazer uma pneumonia de aspiração, o que é muito grave. O jejum de oito horas é o adequado, assim o paciente não terá conteúdo no estômago para ser aspirado.


“As pessoas geralmente
têm muito medo da anestesia”

Voltando a questão do anestesista e o paciente. A relação pré operatória.
É preciso saber todos os problemas que o paciente possa ter, conhecer, estabelecer essa relação médico-paciente. Porque as pessoas geralmente têm muito medo da anestesia. Medo de morrer na anestesia. Assim, perguntam umas para as outras, obtendo informações que não são “muito” corretas. É aconselhável conversar com o especialista antes do procedimento, questionar, tirar dúvidas. Tem muita fantasia sobre a anestesia, as pessoas têm informações erradas. Do tipo “vai fazer uma rápida anestesia, é da cintura para baixo, vai ficar paralisado”, enfim. São fantasias. Hoje em dia a anestesia é muito segura se for feita em hospital adequado, com todos os equipamentos. aparelho de anestesia e monitorização.

O que é o aparelho de anestesia?
É o equipamento que vai controlar o paciente durante o procedimento e é preciso que tenha monitores e o especialista. Porque tem alguns que não são anestesistas e atuam como tal. E existe isto ainda em alguns lugares. O anestesista cuida o paciente durante todo o período perioperatório. Ele fica todo o tempo junto, até terminar o ato cirúrgico. Não pense que o anestesista faz a anestesia e sai. Não. Ele tem de ficar todo o tempo com o paciente. E quando termina o procedimento, na sala de recuperação, que é o pós operatório, o médico anestesista acompanha e no outro dia visita o paciente para saber se está tudo bem.

Existe algum efeito colateral que pode ficar da anestesia?
Por exemplo, a anestesia para cesariana, a raquianestesia ou peridural, pode dar uma acefaleia “pós raqui”, que é uma dor de cabeça. Pode acontecer, é tratada com medicação e em dois ou três dias alivia.


Anestesia Epidural e Raquianestesia


O anestésico é administrado no espaço peridural. Neste caso não há perfuração da duramater e nem perda liquórica. O bloqueio segmentar é produzido nas fibras sensoriais, espinhais e também nas fibras nervosas, podendo ser parcialmente bloqueadas.
Raquianestesia
Geralmente administrada ao nível da coluna lombar, obtida pelo bloqueio dos nervos espinhais do espaço subaracnóide. O anestésico é depositado junto ao líquor, ocorrendo perfuração da duramater.
São indicadas para operações nas pernas, abdômen inferior (apendicite, útero, ovário, bexiga) e cesarianas. Nos dois procedimentos, o paciente pode receber a aplicação deitado, de lado ou sentado.
Área de atuação O anestésico deprime as funções da cintura para baixo da pessoa.
Na peridural, o anestésico é injetado no espaço peridural (camada de gordura anterior à duramáter-membrana que envolve a medula vertebral).
Na raquianestesia, a agulha ultrapassa a duramáter, mas não atinge a medula. O anestésico é injetado em uma região abaixo da medula, onde só há filamentos nervosos.

Em que patologias constatadas no paciente evita o ato cirúrgico?
Dois exemplos: pressão alta e diabete. Um paciente com pressão alta, que não controla, não toma medicação e chega hipertenso para fazer a anestesia. O procedimento é suspenso e essa pessoa tem que procurar um especialista, um cardiologista, para controlar a pressão, tomar medicação... Por quê? Se o paciente chega hipertenso, durante toda a anestesia a pressão começa a variar muito. E a pressão alta faz com que aumente o sangramento. Também no pós operatório o paciente começa a sangrar por esse descontrole.

E o diabético?
Porque a glicemia está muito alta. É preciso haver o controle da glicose. O paciente tem que estar estável, com os exames adequados para fazer o procedimento. Corre o risco de várias complicações em decorrência disso.

Quais são os tipos de anestesia?
Tem a anestesia geral, regional, a local e a local assistida. Esta última o cirurgião faz a anestesia local assistida por um anestesista, que é uma sedação, leve, para acompanhar alguns procedimentos que não tem necessidade de fazer a geral.

Como é a anestesia geral? Ela envolve todo o corpo?
É realizada de acordo com o peso, a altura, a idade do paciente. Utiliza-se a técnica calculando isso tudo. Mas, a dose do anestésico é calculada de acordo com o peso da pessoa.

Uma anestesia geral pode depender da vontade do paciente? Chega alguém e diz “não quero ver nada”?
Tem isso, de dizer “me faz dormir”. É possível fazer uma raquianestesia, que é um bloqueio, e depois sedar o paciente. Ele não verá nada. Tem algumas drogas que faz amnésia. Ele não lembra, às vezes, o que aconteceu antes e nem depois, nem que entrou na sala. Tem algumas drogas que é uma amnesia total. Chega ao ponto do paciente dizer “acho que nem dormi”. Não lembra nem que dormiu todo o tempo.

Em que outra área, excetuando-se a cirurgia, de atuação do médico anestesista?
Atua em exame diagnóstico, em uma ressonância, uma tomografia. Uma criança, por exemplo, que não para quieta para fazer o exame. Afinal, tem que entrar naquele tubo. Dá-se uma sedada, o anestesista acompanha, a criança dorme, é leve, não chega a ser uma anestesia. Faz o exame, que é rápido, e deu.

O que é um anestesista intensivista?
É o que trabalha na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) como os médicos de UTI que têm, também, outra especialidade. O médico que trabalha numa UTI tem que ter os conhecimentos de um anestesista, porque tem que saber entubar, saber pegar um acesso venoso... Por exemplo, um médico que não atua nessa área para trabalhar numa UTI fica meio complicado. A anestesia é uma especialidade apta para trabalhar em unidades intensiva. Ele tem o conhecimento de como tratar de um paciente em estado grave. Se tem uma parada cardíaca na UTI o que ele faz se ele não se especializou, não trabalhou para isso? Também tem os médicos intensivistas que não são anestesistas. Não é necessário que seja anestesista, o que quero dizer é que o anestesista é apto para trabalhar em UTI.
Existe diferença na anestesia para criança?
É de acordo com a idade e o peso. As drogas utilizadas são, praticamente, as mesmas. Mas, existem algumas peculariedades, algumas drogas que se utiliza em crianças.

Quando alguém vai para a cirurgia escolhe o anestesista?
O paciente tem esse direito de escolha. Mas, determinados cirurgiões trabalham com uma equipe, ele tem a equipe. Aí, o paciente acaba aceitando a equipe do cirurgião, pois os profissionais já têm entendimento, estão acostumados, enfim.

É possível alguém em estado de anestesia, não conseguir se mover, nem falar, embora vendo tudo e sentindo tudo? Isso foi abordado no filme Awake (Desperto), dirigido por Joby Harold.
Sim, eu sei do que se trata. Mas, o que é importante aí. A anestesia tem que tirar a consciência do paciente com uma droga, proporciona a analgesia (tirar a dor) com outra droga e proporciona o relaxamento muscular com outra. Neste filme, provavelmente, não tiraram a consciência e não fizeram analgesia. Só fizeram o relaxamento. No momento em que se faz isso, relaxa tudo, inclusive o músculo respiratório. A pessoa do filme devia estar entubada, sob ventilação mecânica. A sensação é horrível, porque sente tudo, tem consciência e não pode se mexer. Isso é uma tortura. Terrível.
 
Francisco de Assis
Médica Magda Mahmud
 
 
Reprodução JM
 
     
 

Mais links relacionados

 
 
 
 
Extras
cadernos anteriores
edições anteriores
horóscopo
News
Para ficar sempre informado faça o seu cadastro
Nome:
E-mail:
 
 

 


É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Jornal Minuano.

Rua Brigadeiro Mércio, 72 - Bagé/RS: (53) 3242.7693 - ©2005 www.jornalminuano.com.br - ® - All rights reserved - desenvolvido por InterfaceMM